[Valid RSS] [Valid Atom 1.0] Estórias que a História não conta

15 de abril de 2014

Maria Madalena, a discípula favorita de Jesus?

 


Maria Madalena – ou Miriam de Magdala, como está no hebraico – aparece nos apócrifos como uma mulher sábia e respeitada por Jesus. Ela acompanha o mestre em suas pregações e o ajuda a liderar os primeiros cristãos. 
O Evangelho de Filipe, do século 2, conta que ela era a seguidora preferida de Cristo, o que despertou o ciúme dos outros apóstolos. “Por que a amas mais que a todos nós?”, perguntavam eles ao Senhor. 
Uma passagem que ainda enfurece muitos cristãos diz que "o Senhor amava Maria mais do que a todos os discípulos e a beijava freqüentemente na boca". 
A liderança de Madalena também é mencionada no evangelho apócrifo que leva seu nome, também do século 2. Numa passagem, Pedro questiona: “Devemos mudar nossos hábitos e escutarmos todos essa mulher?” O texto revela que, apesar dos preconceitos, ela consegue se impor. É uma imagem distante da mulher impura e pecadora que a tradição da Igreja enfatizou durante séculos. 
Em 1969, o Vaticano reconheceu que houve uma confusão na interpretação das Escrituras (ela teria sido confundida com a pecadora que unge os pés de Jesus no Evangelho de Lucas) e retirou a denominação de prostituta que durante séculos pesou sobre Maria Madalena.


15 de dezembro de 2013

O Primeiro Baile da História do Brasil




Se o gaiteiro estava tomado pela nostalgia que se chamará saudade, tocou chorado. Se tocou chorado, foi o primeiro choro, 500 anos antes de Pixinguinha. 
Pedro Álvares Cabral tinha descoberto o Brasil havia apenas cinco dias quando aconteceu o que conto a seguir.
Um gaiteiro da tripulação desceu à praia e começou a tocar. Caminha não diz, mas era coisa animada. Os pelados (Caminha só os chama assim) correram pra ouvir. Fez-se uma roda. O gaiteiro tomava os pelados pela mão, eles folgavam e riam. Sabemos como são essas confraternizações com nativos. Lembram-se do príncipe Charles requebrando com a Pinah no ensaio da Beija Flor?
O garotão português, embarcado à força, sentia uma coisa que ainda não tinha nome. Empolgado, fez voltas ligeiras no chão (miudinho?), deu vários saltos reais, vai ver que sua especialidade nos bailes de aldeia. A gaita, é bom avisar, não era de boca, daquelas que menino pobre ganha no Natal. Era de fole, parecida com a dos escoceses.
Foi este o primeiro baile da história do Brasil. Se o gaiteiro estava tomado pela nostalgia que se chamará saudade, tocou chorado. Se tocou chorado, foi o primeiro choro, 500 anos antes de Pixinguinha.
Escrito por Joel Rufino dos Santos


10 de dezembro de 2013

Versões e Curiosidades sobre a Morte de João Paulo I


O jornalista britânico David Yallop publicou em 1984, após longa pesquisa, a obra Em nome de Deus (In God's Name), na qual oferece pistas sobre uma possível conspiração para matar João Paulo I . A dar-se crédito às fontes de Yallop (que incluem inúmeros clérigos e habitantes da cidade do Vaticano), João Paulo I esboçara, no início de seu breve pontificado, uma investigação sobre supostos esquemas de corrupção no IOR (Istituto di Opere Religiose, vulgo Banco do Vaticano). Logo após eleger-se papa, ele ficara a par de inúmeras irregularidades no Banco Ambrosiano, então comandado por Roberto Calvi, conhecido pela alcunha de "Banqueiro de Deus" por suas íntimas relações com o IOR (o corpo de Calvi apareceu enforcado numa ponte em Londres, quatro anos depois, por envolvimento com a Máfia).
Entre os envolvidos no esquema, estaria o então secretário de Estado do Vaticano e Camerlengo, cardeal Jean Villot, o mafioso siciliano Michele Sindona, o cardeal norte-americano John Cody, na época chefe da arquidiocese de Chicago e o bispo Paul Marcinkus, então presidente do Banco do Vaticano. As nebulosas movimentações financeiras destes não passaram despercebidas pelo Papa Sorriso. Sem falar em supostos membros da loja maçônica P2, como Licio Gelli (vale lembrar que pertencer a essa comunidade secreta sempre foi e ainda é considerado motivo de excomunhão pela Igreja Católica).
A Cúria Romana como um todo teria rechaçado o perfil humilde e reformista de João Paulo I. Diversos episódios no livro corroborariam essa tendência: o Papa Sorriso sempre repudiou dogmas, ostentação, luxo e formalidades; para ficar num exemplo, ele detestava a sedia gestatória, a liteira papal (argumentando que, por mais que fosse o chefe espiritual de quase mil milhões de católicos, não se sentia importante a ponto de ser carregado nos ombros de pessoas). Após muita insistência curial, ele passou a usá-la.

LEIA MAIS, clicando na frase abaixo

6 de dezembro de 2013

O Incidente em Aurora


É uma das histórias de ovnis mais estranhas já contadas. Em Aurora, no Texas, em 1897 testemunhas descreveram uma nave voadora cinco anos antes do voô dos irmãos Wright. "O que voou pelo Texas não foi feito pelo homem." "Existem indícios de que um ovni caiu no texas em 1897.". O suposto OVNI colidiu-se contra o moinho de vento da granja do juiz JS Proctor e logo caiu em um lugar onde havia um poço. Após o choque, as pessoas que vieram para o local encontraram os restos da nave e do corpo do piloto, um corpo pequeno e desfigurado. Os jornais disseram que não era um habitante desse mundo. Este corpo foi enterrado em um túmulo no cemitério local com uma lápide anônima.
Em uma investigação de MUFON (Mutual UFO Network, "Mutual UFO Network) que ocorreu em 1973, encontraram um estranho pedaço de metal (95% de alumínio e de 5% de ferro) raros na natureza.
· Na mesma investigação, na parte mais antiga do cemitério havia uma lápide sem nome. Eles usaram um detector de metais para localizar o túmulo. Quando o MUFON pedira permissão para escavar, foi negado. Dias depois, os investigadores voltaram e descobriram que a pedra não estava mais lá, e o detector de metais não encontrou nenhum metal.
· Em volta do poço onde estava os restos da suposta nave, existe uma área de terreno onde não cresce nenhuma vegetação. Mais tarde a terra foi vendida para outra pessoa, que disse que ao consumir a água deste poço, ele desenvolveu uma artrite muito grave.
· Em uma pesquisa realizada em 1973, foi encontrada três pessoas que estiveram em Aurora nesse mesmo ano. O primeiro disse que seu pai havia lhe contado que nao passava de uma brincadeira. Mas as outras duas afirmaram o contrário, a segunda diz que ao chegar ao local teve que desistir, pois sua mãe não lhe permitiu que ficasse lá, e finalmente, a terceira testemunha admitiu ter visto o OVNI caindo, mas seu pai só lhe permitiu ver o ocorrido no dia seguinte, após terminar seus deveres. Seu pai foi ver o que aconteceu no outro dia e quando ele voltou disse ao seu filho absolutamente tudo.
· A descrição do piloto estraterrestre foi muito semelhante às descrições atuais.

5 de dezembro de 2013

O enigmático e lendário Conde de Saint Germain



O lendário Conde de Saint Germain é um dos personagens mais intrigantes do século XVIII. Sua vida pode ser avaliada sob vários pontos de vista, desde a condição de um elevado e sábio alquimista até a de um simples e nobre excêntrico.de Saint Germain teria nascido na Transilvânia, em 28 de maio de 1696; mas, outra fontes determinam seu nascimento em 1709. Era, provavelmente, filho de Francis II Rákóczi, príncipe exilado da Transilvânia. Mas, há referências de que poderia ser filho ilegítimo de Marie-Ann de Neuborg, esposa viúva de Carlos II da Espanha, com o desconhecido Conde Adanero. sob os cuidados do Duque de Médici. Mas, estranhamente, os primeiros registros de sua vida pública e social iniciam-se apenas em 1743, quando então contava 47 anos de idade, na cidade de Londres. Aproximadamente dois anos mais tarde, esteve na cidade de Edimburgo (Escócia) onde teria sido retido sob a acusação de espionagem. Após recuperar a liberdade, conheceu o célebre filósofo e escritor suíço Jean-Jacques Rousseau, desaparecendo misteriosamente em 1746.Em 1758, na cidade francesa de Versalhes, retomou sua vida pública e convívio social. 

Neste mesmo período, infiltrou-se na corte francesa ao presentear com diamante e pedras preciosas. Conta-se que conquistou a confiança do monarca ao reconstituir, de modo misterioso, um diamante quebrado. Ainda, ganhou fama de ser um hábil violinista. Assim, aproveitando-se dos benefícios que sua popularidade lhe trazia, hospedou-se no vilarejo de Chambord, sob a tutela do Rei Luís XV.
No ano de 1760, deixa a França e viaja para a Inglaterra, Países Baixos e Rússia. Neste momento, na Rússia, o Conde Saint Germain é acusado de conspirar contra o imperador e a favor de Catarina – A Grande, de modo que ela pudesse assumir o comando do estado russo. Em seguida, viaja para a Bélgica, onde, sob o nome de Conde de Surmount, adquire terras. Neste momento, o Conde oferece suas técnicas de tratamento de material ao governo belga; mas, sem obter sucesso. Porém, durante as negociações, o Conde Saint Germain, supostamente, transformou ferro em um material semelhante ao ouro, como uma forma de provar sua capacidade técnica.

LEIA MAIS, clicando na frase abaixo: